Como já falamos por aqui, jovens talentos já nasceram na área digital, cercados por informações e notícias que chegam em uma velocidade impressionante. É raro algum usuário antenado ficar por fora das últimas que aconteceram.

Nas redes sociais, não é diferente: o jovem publica uma foto, texto ou vídeo e quer saber o retorno de seus seguidores. “Será que a foto está boa?”, “será que aquela pessoa especial já viu minha publicação?”. Porém, esse mesmo jovem acaba levando esse retorno instantâneo para o ambiente profissional.

É muito por causa desse avanço tecnológico que o jovem cria uma ansiedade e uma necessidade de feedback urgente. Ele “precisa” saber como está indo seu trabalho, como ele pode melhorar e o que os outros colaboradores pensam sobre o serviço.

Por isso, é papel da empresa dar um feedback sobre o trabalho do jovem, principalmente nas primeiras fases profissionais, como estágio e trainee. Mesmo que negativo, o feedback ajuda o jovem a fazer a manutenção de práticas positivas e corrigir possíveis falhas no processo do trabalho.

É necessário também que a empresa transmita confiança no jovem trabalhador, para que a insegurança não atrapalhe seus talentos. Assim, colaborador e empresa reduzem falhas e continuam crescendo juntos.