Clodomiro levanta numa segunda feira, meio tonto. O despertador tocou e o sono embaralha seu pensamento, obrigando-o a tomar uma decisão: Continuar dormindo ou levantar da cama?

Contudo, Clodomiro tem ‘’trampo’’, todas as suas responsabilidade se encontraram lá, no trabalho. Seu corpo e sua vontade o puxam para a cama mas sua responsabilidade e seu senso de sobrevivência salarial dizem o contrário. Imediatamente ele levanta, vai até o banheiro abre a torneira, lava o rosto e se vê no espelho, nada o agrada. As olheiras são visíveis, começa a fazer a barba e pensar como será seu dia no trampo. Aliás, pela primeira vez parou para pensar: ‘’É trabalho trampo?’’

Mais do que uma forma de falar, trata-se de uma constatação. Quanto mais agradável um trabalho para alguém mais trabalho ele produz. Quem não gosta do que faz no trabalho ‘’trampa’’,  não existe, uma regra para isso, pensando em pessoas o importante é reiterar nada é imutável, a não ser a morte. Contudo, é difícil fazer coisas de que não se gosta.

Muita gente confunde felicidade com dinheiro, achando que ela depende apenas de muita riqueza. Profissionais ganham muito quando se destacam naquilo que fazem, e só se destacam porque realizam muitíssimo bem o que fazem. Profissional que trabalha mal não ganha bem. Para trabalhar bem, você precisa gostar do que faz, aprimorando-se a cada dia só assim terá fôlego e vontade para avançar no cotidiano profissional. Para ser feliz e  consequentemente bem sucedido você deve trabalhar e não trampar.