Cotidianamente, diferentes grupos de jovens com diferentes perfis disputam vagas no mundo de trabalho. E, diante de um mercado cada vez mais em transformação, alguns RHs encontram grande dificuldade em selecionar o melhor trainee para seu o Programa.

Há casos de jovens malformados academicamente, porém, com vontade inabalável e que, por isso mesmo, dão certo no mercado de trabalho. É possível perceber também, jovens com forte preparo acadêmico, significativa vivência no exterior, excelente domínio de culturas, e grande habilidade com a tecnologia, potenciais talentos que não são convertidos em grandes profissionais.

Por que inúmeros jovens talentosos nessas condições não vingam? E por que jovens tão distantes desse perfil, em muitos casos, tornam-se profissionais de mão cheia? Qual deve ser o breakeven entre o talento aflorado e o espirito batalhador necessário?

Perguntas difíceis, não? De fato, os desafios das empresas são buscar uma composição de fatores, isto é, encontrar o ponto de equilíbrio entre os dois perfis, entre o nível de talento apropriado e a porção necessária de disposição e espirito guerreiro para que o Programa Trainee vingue. Muitas empresas já notaram, de acordo com experiências anteriores, que talento puro mostra-se incapaz de vencer os obstáculos que envolvem o Programa Trainee e o dia a dia da empresa.

O talento é componente importantíssimo para se realizar algo notável em qualquer atividade humana. Todavia, apenas o talento não é suficiente. O mundo do trabalho cobra esforço, determinação para não desistir frente às naturais dificuldades e capacidade de lidar com as frustrações que surgem pelo caminho.

Alguns princípios que podem auxiliar as organizações a encontrarem as melhores adequações:

  • Investimento em jovens que possuem dúvidas sobre o que deve ser feito e perguntam. Reconhecem que não possuem conhecimento sobre tudo e demonstram interesse e humildade no aprendizado.
  • Investir em jovens que colocam a cooperação acima da competição, ouvindo mais, sem ser donos da verdade.
  • Acreditar em jovens que compreendem o valor da reputação que forma a credibilidade e que conquista a confiança dos demais.