Se há algo que é considerado com rigor pelos contratantes é o caráter de quem pode ser contratado. O caráter de um candidato tem mais importância do que o seu conhecimento técnico numa disputa por uma vaga.

 

As empresas, em geral, estão olhando com muita atenção, em suas dinâmicas e entrevistas, quais os valores que norteiam e movem os candidatos às suas vagas. Acima de tudo, as empresas se aprimoram para identificar muito bem quem estão contratando. A prática mostra que um contratado com deficiências técnicas será recuperado pela empresa com cursos e treinamentos. Contudo, um contratado com deficiências de caráter não recebe o mesmo tratamento pelas inerentes dificuldades que a empresa enfrenta.

 

As empresas sabem que as pessoas são reconhecidas pelas atitudes que praticam e não pelas palavras que apresentam. Um grande teste para se identificar como o caráter se evidencia é oferecer à pessoa a condição de conviver com o poder. Esse exercício no mundo corporativo, em geral, é completado por meio de tarefas em que se oferece a liderança de sua execução ao aprendiz de líder. Observa-se sua performance, o modo como conduz a tarefa com outros participantes sob sua orientação, e como usa a “palavra final”.

 

Muitos enfrentam dificuldades sobre como se posicionar quando estão no poder. Boa parcela das pessoas, em momentos assim, revela quem é pelas decisões que assume e como as toma.