Mais de um bilhão de pessoas vivem em ambientes fortemente comprometidos e deteriorados. Tal herança, deixada pelas gerações anteriores, apresenta o caminho a trilhar pelo jovem deste século. A contaminação dos oceanos, a degradação dos solos e o supercrescimento da população, em especial nos ambientes deteriorados, fazem parte do pacote.

 

O duro ato de passar o planeta para as próximas gerações nessas condições precisa ocorrer com muito cuidado. As novas gerações são ainda inexperientes em sua relação com o mundo e podem enfrentar espetaculares dificuldades, muitas delas talvez intransponíveis. O rito de passagem deve acontecer dentro do velho espírito humano: da experiência para o novo.

 

O novo modelo para a economia deverá levar em conta o bem-estar social e a qualidade de vida. Está claro que o meio ambiente sustenta a economia, e é fundamental considerar que a vida na Terra está intimamente ligada aos seus recursos, como o ar, a água, o solo, os minerais, a vegetação e os animais.

 

Os jovens serão protagonistas na implantação de um novo modelo de produção que não agrida o planeta, permitindo, também, a interdependência de todas as formas de vida. Será uma missão difícil, porém obrigatória.