Há alguns anos, em uma época em que havia mais oferta de trabalho, os empregos eram mantidos por mais tempo e desde que fosse conveniente. Hoje, só tem emprego aquele que renova suas competências especificas, se adapta à constante mudança no mundo do trabalho e adota novas bases de conhecimento para o desenvolvimento da carreira.

O que observamos atualmente é uma mudança de cenário com urgência e velocidade, que nos cobra alterações nos parâmetros, nas atitudes e nas metas.

Não basta ser bom naquilo que você sabe fazer- é importante mostrar que esses talentos e habilidades serão úteis à empresa nos meses seguintes e em diferentes conjunturas.

O mundo do trabalho vem apostando em jovens que se mostram dispostos a aprender e colocar em prática seus novos conhecimentos. Jovens que se qualificam rapidamente, que buscam conhecimento além dos centros acadêmicos, com ou sem a tutela do “chefe”. Nesse sentido, a educação formal consiste apenas em um ponto de partida para o processo contínuo de atualização.

Jovens melhor capacitados tendem a tirar o maior proveito possível do treinamento profissional que recebe. Logicamente, o período de aprendizagem é importantíssimo, pois é o ponto de partida para sustentar os demais conhecimentos.

Algumas dicas que serão um diferencial em sua carreira:

  • Relacionamento interpessoal: Preservar um comportamento ético, respeitoso e harmonioso para com os colegas de trabalho.
  • Iniciativa para ir além: Não contentar-se em somente fazer a sua parte. Se ainda faltam algumas horas para o encerramento de seu expediente e já finalizou suas atividades, por que não auxiliar o seu colega? Por que não aprender algo novo?
  • Liderança: Liderar a si mesmo, desenvolver autoconhecimento para compreender-se e desenvolver as melhores habilidades.
  • Qualificação: Ter um diploma não é mais um diferencial, é requisito mínimo. Não se prenda à sua formação acadêmica, esteja disposto a fazer uma especialização, mestrado, doutorado ou até mesmo uma nova graduação em uma área diferente.

As empresas também têm suas responsabilidades, devem garantir o ingresso no jovem no mundo organizacional de maneira mais equilibrada possível, com todas as garantias e possibilidades de desenvolvimento. Se o jovem inicia a sua jornada de trabalho em situação vulnerável e em condições precárias de desenvolvimento, isso certamente irá impactar em sua trajetória profissional adulta trazendo prejuízos tanto para o colaborador quanto para a empresa e a sociedade.