No mundo globalizado, não existem mais reservas de mercado para os produtos, serviços e trabalho. As fronteiras comerciais caíram a partir do final do século XX, deixando trânsito livre para os competentes apresentarem suas propostas de produtos, serviços e trabalho, de onde vierem e para qualquer destino.

 

A globalização interligou e aproximou pessoas, empresas e países. E a internet se tornou para a globalização, a cereja do bolo, engraxando o funcionamento das relações humanas e dos negócios no mundo. É esse o contexto que o jovem XXI deverá conhecer bem, onde deverá saber se movimentar com precisão e atuar profissionalmente com foco.

 

Muitas empresas brasileiras importam mão de obra especializada de onde ela estiver disponível e interessada. Não existem registros de aportes educacionais no Brasil que indiquem mudança nessa rota de entrada de profissionais de outros países. E aí está outra característica da globalização: tudo é muito rápido no meio empresarial, pois a agilidade representa fator estratégico para a sobrevivência da grande maioria dos negócios.

 

O jovem precisa compreender que quando o RH de uma empresa estruturada recebe a incumbência de encontrar determinados profissionais e não os encontra no país, não hesitará em buscá-los no exterior, mesmo que essa solução fique mais espansive.