Claro que tecnologia trouxe agilidades que nunca antes foram imaginadas, o acesso a qualquer informação esta a apenas um clique de distância. O jovem da geração digital desconhece outra forma de realidade e aí mora o principal obstáculo para o seu futuro.

São horas a finco de concentração total para diminuir o tempo e vencer as fases de jogos eletrônicos que são encontrados em videogames, tablets, celulares, PCs e nas mais diversas tecnologias. Essa parte do seu tempo treina a mente para vencer as dificuldades no mundo virtual, constrói uma nova maneira de ver e conviver em sociedade, além de alterar forma em que o jovem obtém a percepção à sua volta.

Este novo panorama contribui para que o jovem assuma uma visão de mundo diferente, em que as metas, as compreensões, os alvos e as percepções se misturam entre o mundo virtual e o real.  Embora existam exceções, na atual visão é preciso pressa para atingir a evolução, sendo que essa verdade acaba por ser endossada através das notícias instantâneas e pelo universo virtual, onde existem apenas alguns segundos entre as trocas de informações. Essa nova configuração de enxergar a vida aparece no mesmo período em que pai e mãe são obrigados a passarem grande parte do tempo no trabalho para garantir o sustento familiar e as bases estão construídas pela forma anteriormente explanada. Ela não oferece condição racional, ou emocional para que este jovem possa entender, ou atuar no mundo real corporativo.

A superproteção oferecida no ambiente familiar não é encontrada no meio empresarial, o que pode ser o primeiro ponto de conflito e isto é notado pelos atuais gestores que se preocupam com esse futuro. Baseado no panorama atual as corporações investem no aumento da flexibilidade comportamental, isso se aplica tanto nas empresas de TI, bem como nas mais tradicionais, onde novas práticas de relacionamento são implantadas. Entre as principais mudanças, podemos elencar vestimenta, postura profissional, linguagem e ambiente de trabalho que visam facilitar o aproveitamento dos talentos. Porém a mesma flexibilidade não pode ser aplicada aos valores assumidos em relação com clientes, fornecedores, parceiros, governos e a sociedade.

Ao traçar objetivos profissionais, o jovem chega ao mundo do trabalho com a missão de entender que existe um limite para as inovações e que não há um caminho fácil para o sucesso. Neste momento, é fundamental que os responsáveis estejam presentes na orientação até que seja feito o ajuste do timing entre as expectativas e a velocidade esperada das partes envolvidas: contratante e candidato. O aspirante deve compreender as características que podem agregar valor e saber das etapas que serão enfrentadas, ou seja, ele deve ter a convicção do caminho que precisa percorrer até atingir o sucesso.