O aprendizado não se restringe ao que acontece entre as paredes da escola. Ele passou a ser on-line, 24 horas por dia, todos os dias na semana. Grande parte do seu aprendizado pode se dar muito além da sala de aula. Ocorre no dia a dia, em casa, nas ruas, na vizinhança, no cinema, no clube, no lazer, nos momentos de leitura e reflexão. Em qualquer lugar e a qualquer hora.

Não fique esperando que a escola e os professores lhe ofereçam tudo o que precisa aprender. Assuma a responsabilidade pelo seu próprio aprendizado. O papel do educador é disponibilizar opções e ensiná-lo a pensar, não oferecer uma “receita pronta” para o seu desenvolvimento.

Na sala de aula, o máximo que pode ser oferecido são ferramentas que o auxilie a refletir sobre sua própria circunstância e a buscar alternativas para mudá-la. Os profissionais bem sucedidos não são ricos no domínio de técnicas aprendidas nas escolas, mas no intangível, decorrente de um modelo mental perceptivo, analítico, inventivo e transformador da realidade em que vivem.

Você pode, por exemplo, aprender muito sobre liderança participando de um curso formal, ou ainda assistindo a alguns filmes ou seriados na televisão sobre o tema. Pode, também, aprender sobre o comportamento de um líder assistindo a um jogo de futebol ou a uma partida da seleção de vôlei, observando o comportamento do treinador. Ou mesmo lendo uma boa biografia sobre um artista e, depois, visitando uma exposição sobre sua obra, em um museu.

Ser competente não é sinônimo de ter um acúmulo de conhecimentos, mas ter a capacidade de aprender, a cada dia, a partir de sua experiência. Essa é um das poucas competências duráveis em um mundo no qual conhecimentos específicos se transformam, com muita rapidez, em informações perecíveis.